Produções

Histórias do Meu Tempo: Uma Abordagem Não Farmacológica para Idosos com Prejuízo Cognitivo

 

Autores: Guerreiro, T.; Vieira, R.P.M.; Lavrador M.L.; Gonçalves, E.

 

Nos últimos anos, o estudo de intervenções não farmacológicas para idosos que apresentam prejuízo cognitivo vem sendo priorizado, pelos limitados benefícios e altos custos dos medicamentos, elevado risco de efeitos colaterais e dificuldades inerentes à pesquisa de novas drogas. Neste trabalho, é apresentado o relato de experiência de 8 anos de um programa amplo de otimização cognitiva dirigido a idosos que apresentam prejuízo cognitivo estabelecido. Pretende contribuir com a proposta de um modelo de intervenção que abrange em seu escopo a associação de práticas tradicionais.

Objetivo: promover a expressão de capacidades residuais, através da estimulação cognitiva, afetiva e emocional, visando a manutenção da funcionalidade, bem estar e motivação para a vida. O programa é desenvolvido em grupo contínuo, com 10 a 12 pessoas. Os encontros são realizados 2 x por semana e possuem duração de 2:30h cada. Para o ingresso é realizada uma avaliação, que consiste numa entrevista com o idoso e seus acompanhantes, na aplicação de testes e na análise de exames complementares. Assim, são identificadas características, necessidades e o perfil cognitivo do idoso visando sua inserção no grupo. Os participantes apresentam prejuízo cognitivo que varia do Comprometimento Leve a um quadro de Demência, em estágio inicial ou moderado. Os grupos são formados, principalmente, por mulheres de 70 a 95 anos, com 4 a 16 anos de estudo. O programa é realizado por uma equipe interdisciplinar e possui uma abordagem multidimensional baseada na Otimização Cognitiva. Dá ênfase à memória autobiográfica como um caminho para o resgate da autoestima e do interesse pelo momento presente. Cada aula prioriza um enfoque: Terapia de Estimulação Cognitiva e Orientação pa ra a Realidade; Consciência Corporal e Dança Senior; Encontros Musicais e de Artes; Reminiscências. Ao encontrar um ambiente acolhedor e ao trabalhar suas recordações em conjunto, o indivíduo encontra eco em suas lembranças e o sentido de pertencimento ao grupo se estabelece. Desta maneira os vínculos sociais ficam fortalecidos, a autoconfiança aumenta e o indivíduo aprende a lidar com suas limitações, vivenciando conquistas que muitas vezes o surpreendem, bem como à equipe, e aos próprios familiares. Nesse trabalho, foi apresentado um modelo de intervenção para idosos portadores de prejuízo cognitivo que prioriza o resgate e a valorização da história do indivíduo como um caminho de promoção de bem estar e motivação para a vida.

 

IXI Congresso Brasileiro de Geriatria e Gerontologia
Belém PA – 2014
29 de abril a 03 de maio de 2014

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *